“Estamos perante uma hecatombe social”

O concelho de Castelo de Paiva foi um dos mais fustigados pelos incêndios do passado fim de semana que consumiram cerca de 80% da floresta e desalojaram 14 famílias. A destruição de culturas e explorações agrícolas, e de empresas, coloca em risco, segundo o autarca paivense, cerca de 200 postos de trabalho. Gonçalo Rocha, numa avaliação da tragédia, adianta que os prejuízos devem ascender a “muitos milhões de milhões de euros” e que “há pessoas que ficaram apenas com a roupa que traziam no corpo”, frisa. No que respeita às famílias desalojadas, o presidente da Câmara disse à Rádio Montemuro que, para já, “a situação está, provisoriamente tratada”, adiantando ainda que se exige agora “uma solução definitiva”. A preocupação maior do autarca de Castelo de Paiva prende-se com o impacto social das situações de desemprego que resultam dos incêndios. “Estamos perante uma hecatombe social” exclama o autarca que pede medidas urgentes. Gonçalo Rocha refere ainda que “hoje, quem olha para Castelo de Paiva, vê um concelho consumido pelas chamas”, e isto, refere o edil, “é algo surreal, uma coisa que nunca se pensou que pudesse existir”, lamenta. Para tentar agilizar a resposta ao flagelo social, o presidente da Câmara já anunciou a criação de uma conta solidária para onde serão canalizados todos os apoios e recursos financeiros. Os apoios em alimentos e vestuário devem, entretanto, ser direcionados para a loja social do concelho. As manifestações de apoio “têm sido muitas de cidadãos e empresas para minimizar os efeitos da tragédia”, adianta Gonçalo Rocha, que fala de um concelho “solidário, junto, unido e empenhado” em atenuar o sofrimento dos que foram mais afetados. Entretanto, segundo informação da autarquia paivense que acaba de chegar à redação da Rádio Montemuro, o Ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, vai reunir, hoje às 18.30 horas, com o Executivo Municipal, nos Paços do Concelho, para fazer o ponto da situação e avaliar a dimensão dos danos causados pelos incêndios. A mesma nota de imprensa adiante que a Câmara de Castelo de Paiva tem estado, juntamente com outras entidades, a trabalhar no sentido de disponibilizar ajuda às populações atingidas, estando já assegurados desde ontem o regresso às aulas e o normal funcionamento das instalações escolares, bem como os trabalhos de reposição do abastecimento de água, eletricidade e sistemas de comunicações em todas zonas afetadas.

Siga-nos