Marcelo em defesa do “interior esquecido”

O interior de Portugal e as assimetrias do território nacional dominaram os discursos do passado sábado, em Baião, durante a visita do Presidente da República ao concelho.

Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta aos anseios e às criticas à condução das politicas governamentais referidas pelo presidente da Câmara de Baião, reconheceu a existência de “vários portugais interiores”, e afirmou que “todos temos a noção de que uns e outros acabam por ser esquecidos pelo portugal metropolitano que tende a concentrar a maioria esmagadora dos centros de decisão politica, económica e social”, frisou. Marcelo disse ser sensível ao apelo do presidente de Baião e recordou a sua experiência como autarca, quer à época no município mais pobre do país, Celorico de Basto, quer no mais rico, Lisboa. O Presidente da República disse que o conhecimento dos dois lados lhe dá a perspetiva global do problema colocado pelo autarca de Baião.

O Presidente referiu que o debate sobre o interior e sobre a descentralização que vai ser feito “até ao final da legislatura”, deve   ser feito “com coragem e com sensatez”. “A coragem de afrontar um problema estrutural do nosso país, dar um passo para a coesão territorial, isto é, para a aproximação maior entre  aqueles  que vivem em locais diferentes do continente nacional”, e a “sensatez por que é um passo que tem que ser dado com um amplo consenso entre formações partidárias e envolvendo parceiros económicos e sociais”, alertou. Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, não devem ser criadas expectativas “que se convertam, rapidamente, em desilusões”, sublinhou.  O Presidente da República defende a “transferência de fins, de atribuições e de poderes para as autarquias locais, o que não deve ser feito tanto pela afirmação do poder de um determinado momento, mas  através de uma formula que possa durar para além dos governos”, explicou. “Vezes demais temos tido promessas de reformas que se convertem em desilusões. E não podemos correr o risco de uma desilusão”, concluiu.

Em Baião, Marcelo inaugurou uma estátua em homenagem ao escritor Eça de Queiroz, no âmbito da celebração do 172.º aniversário do nascimento do criador do livro “A Cidade e as Serras” que tem, em terras de Baião, fonte de inspiração. Nas cerimónias participaram autarcas, população e o presidente da Fundação Eça de Queiroz, Afonso Eça de Queiroz Cabral. No final do encontro, o Presidente da República deixou a promessa de um regresso, em breve, ao concelho.

Siga-nos