“Este não é o Orçamento do Partido Socialista”

Cristina Vieira, presidente da Câmara de Marco de Canaveses, assegura que a ação do atual executivo está limitada pelos compromissos que estavam já assumidos pela anterior gestão.  Cristina Vieira afirma que  o Orçamento do Municipio para o ano em curso não espelha as opções da equipa que lidera. “Andaremos durante o ano de 2018 a concretizar obras que já estavam adjudicadas pelo anterior executivo, algumas delas, ainda nem sequer começaram”, sublinha a autarca. Por isso, frisa, “eu não estaria em condições de fazer um Orçamento quando tinha cativa   uma grande parte do bolo destinada a obras que a gestão anterior adjudicou e decidiu”, explica.

Apesar da “pouca margem de manobra”, Cristina Vieira sublinha dois projetos que estão espelhados no documento e que são o “Marco Habita Jovem e o Marco Habita Social”. No caso do Marco Habita Social a presidente da Câmara sublinha que existem antigos edificios escolares, que agora estão devolutos e que vão ser transformados em habitações sociais para os mais carenciados, ou para situações pontuais de necessidade. Por seu lado, o Marco Habita Jovem, segundo Cristina Vieira, é um projeto que visa dar resposta “à forte afluência de jovens de concelhos vizinhos e que procuram o Marco pela sua localização, pelo acesso rápido à cidade do Porto, pelo caminho de ferro e pelo mercado de empregabilidade”, frisa a autarca. O Marco Habita Jovem, programa para desenvolver a “médio e longo prazo”, prevê a criação de “habitação a custos controlados para os jovens, no sentido de os fixar no concelho”, revela.

Para a autarca socialista a fixação dos jovens está dependente do emprego e, nesse sentido, o executivo marcoense está a desenvolver ações que conduzam ao desenvolvimento da industria. Cristina Vieira revela que já iniciou “conversações com Infraestruturas de Portugal para que seja feito o acesso à área empresarial de Constance”. O objetivo é que, “a partir deste ano, a área industrial esteja pronta para receber investimento para o Marco de Canaveses”, explica.

Está também prevista a requalificação e reestruturação da área empresarial do centro da cidade. A presidente da Câmara do Marco adianta ainda que existe a “intenção e a pretensão de fazer uma intervenção na área industrial de Moirinte, em Alpendorada”. Cristina Vieira destaca a importância da indústria do granito na economia local, na região e no país e deixa um sublinhado a propósito do projeto Marco Investe que “está já a ser trabalhado” conclui.

 

 

Siga-nos