Baião: Mosteiro de Santo André de Ancede recebe exposição «Clamor da Maré Cheia» de Cristina Rodrigues

Ouvir a Notícia

O Mosteiro de Santo André de Ancede em Baião, vai receber no próximo dia 25 de julho pelas 15h00, a terceira instalação de Clamor da Maré Cheia”, exposição polinuclear da artista plástica Cristina Rodrigues. Paulo Pereira, edil baionense, será um dos presentes na inauguração.

Clamor da Maré Cheia” é uma exposição polinuclear, concebidas em sintonia com os seus quatro lugares de exibição. Uma narrativa que exalta o Homem como um ser curioso e trabalhador, capaz de enfrentar grandes adversidades, trilhando caminhos desconhecidos. As esculturas que integram a obra – quase cinco dezenas de peças que utilizam o ferro e redes de pesca como matéria de trabalho -, são fruto de uma reflexão da autora sobre uma das epopeias humanas mais desafiantes, a odisseia marítima.

Clamor da Maré Cheia, Cristina Rodrigues

 

Homens do Mar, Cristina Rodrigues

O Mosteiro de Santo André de Ancede, recentemente restaurado pelo Arquiteto Alvaro Siza, acolherá, a instalação site-specific intitulada de Barqueiro de Hades, uma obra distinta das obras expostas em Vila do Conde e Lisboa. Composta por nove esculturas, representando anjos, Barqueiro de Hades ilustra uma reflexão da autora sobre Caronte, figura da mitologia grega, filho de Nix – a Noite – e de Érebo -a Escuridão – , cujo trabalho era levar os mortos à sua morada final, fazendo a travessia de barco entre duas margens – a do mundo dos vivos e a margem do mundo dos mortos.

Além da exposição, poderá também assistir ao concerto da cantora lírica Carla Caramujo, também intitulado “Clamor da Maré Cheia”. A soprano construiu o programa do concerto, com peças de Hahn, Fauré, Puccini, Lacerda, Vianna da Mota, Grieg e Rachmaninoffque, que tal como Cristina Rodrigues, se inspiraram no mar para criar. O mar transporta o labor, o sustento e a espiritualidade e estes autores interpretam-no de forma singular. «A sua beleza onírica, o seu ruído, ora ameaçador, ora nostálgico, a sua influência na vida das populações, transporta-nos para um universo de emoções, similares em qualquer latitude», afirma Carla, sobre o mar. Carla Caramujo será acompanhada por um quarteto de cordas composto por Álvaro Pereira e Evandra Gonçalves nos Violinos, Luis Norberto na Viola d’Arco e Michal Kiska no Violoncelo.

Ermesinde, fundada para ser essencialmente uma cidade de trabalho, receberá no dia 31 de julho, no seu Fórum Cultural, a última das obras desta exposição polinuclear, uma instalação intitulada Homens do Mar.

A exposição ficará patente até ao dia 31 de outubro.