O Município de Marco de Canaveses renovou o protocolo com equipa de sapadores florestais da AFEDT

Ouvir a Notícia
A Câmara Municipal de Marco de Canaveses aprovou em Reunião de Câmara a renovação de um protocolo com a Associação Florestal de Entre Douro e Tâmega (AFEDT), que visa a disponibilização da atuação de uma equipa de sapadores florestais, constituída por cinco elementos, por parte da referida associação.
A equipa irá exercer a sua atividade durante todo o ano e os trabalhos incidirão em áreas florestais públicas, comunitárias ou privadas definidas de forma a fazer face às necessidade assinaladas no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios.
A autarquia marcuense irá transferir para a AFEDT cerca de 48.300 euros ao longo do ano de 2022 de forma a suportar financeiramente os encargos relacionados com a equipa de sapadores florestais. O valor em causa pode ser alterado em função da atualização do salário mínimo nacional.
Este protocolo será válido para o ano de 2022, estando prevista uma renovação automática e anual até ao ano de 2025, inclusive.
Funções 𝗱𝗮 𝗲𝗾𝘂𝗶𝗽𝗮 𝗱𝗲 𝘀𝗮𝗽𝗮𝗱𝗼𝗿𝗲𝘀 𝗳𝗹𝗼𝗿𝗲𝘀𝘁𝗮𝗶𝘀:
  •  Ações de silvicultura, reflorestação e arborização;
  • Gestão de combustíveis;
  • Acompanhamento na realização de fogo controlado;
  • Apoio à realização de queimas e de queimadas;
  • Manutenção e beneficiação da rede divisional e de faixas e mosaicos de gestão de combustíveis;
  • Manutenção e beneficiação de outras infraestruturas;
  • Apoio em ações de controlo e eliminação de agentes bióticos;
  • Sensibilização do público para as normas de conduta em matéria de natureza fitossanitária, de prevenção, do uso do fogo e da limpeza das florestas;
  • Vigilância das áreas a que se encontram adstrito ou estabelecido em Plano Operacional Municipal;
  • Primeira intervenção em incêndios florestais, apoio ao ataque ampliado e subsequentes operações de rescaldo e vigilância pós-incêndio, previstas em Diretiva Operacional aprovada pela Comissão Nacional de Proteção Civil;
  • Proteção a pessoas e bens, prevista em Diretiva Operacional aprovada pela Comissão Nacional de Proteção Civil.