Procurar
Close this search box.

87.8 e 88.5


















FM

A oferta formativa da para a CIM do Tâmega e Sousa para o próximo ano letivo foi aprovada

A oferta formativa de cursos profissionais na CIM do Tâmega e Sousa para o próximo ano letivo foi aprovada ontem, dia 3, em reunião de concertação da rede de oferta formativa profissionalizante do Tâmega e Sousa. A oferta formativa aprovada resulta de um trabalho de planeamento e concertação entre a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa), que assume a coordenação deste processo, a DGEstE – Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, a ANQEP – Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, a DGEEC – Direção-Geral de Estatística da Educação e Ciência, os 11 Municípios e os 33 estabelecimentos de ensino da região.

A oferta para o ano letivo 2022/2023 contempla 55 cursos profissionais distribuídos por 89 turmas de 33 estabelecimentos de ensino.

Segundo a CIM do Tâmega e Sousa, a “oferta formativa de cursos profissionais e de cursos de educação e formação de jovens aprovada resulta de uma abordagem estratégica que visa valorizar e reforçar a qualidade do ensino profissional na região, procurando-se adequar os perfis de formação aos interesses dos alunos, mas também garantir a necessária articulação entre as ofertas formativas e as oportunidades de inserção no mercado de trabalho, através da sua ligação aos setores empresariais do Tâmega e Sousa.”

 

Nos cursos aprovados destacam-se as áreas das indústrias do têxtil, vestuário, calçado e couro, do turismo e lazer, da hotelaria e restauração, da gestão e administração, da contabilidade e fiscalidade, das ciências informáticas, eletrónica e automação, dos audiovisuais, das artes do espetáculo, da produção agrícola e animal e das indústrias alimentares, mas também da saúde, da estética e dos cuidados de beleza e da ação social.

De referir que este ano foi aplicado um novo critério para a definição dos cursos profissionais. Trata- se do critério de especialização tecnológica associada à constituição de Centros Tecnológicos Especializados (CTE), que define que cada entidade intermunicipal deve garantir que 35% das turmas a criar correspondam a qualificações abrangidas pelo CTE Industrial, e que 20% correspondam a qualificações abrangidas pelo conjunto dos CTE Informática, Renováveis e Digital. Neste sentido, no Tâmega e Sousa, das 89 turmas aprovadas, 41% (37 turmas) pertencem ao CTE Industrial, enquanto 26% (24 turmas) ao CTE Informática, Renováveis e Digital.