Procurar
Close this search box.

87.8 e 88.5


















FM

O desperdício de água no Marco de Canaveses atingiu mínimo “histórico”

Pela primeira vez, os desperdícios de água nas redes de abastecimento do Marco de Canaveses atingiram os 20% – um valor alcançado por apenas 30 concelhos em Portugal. O resultado fica abaixo da média nacional que fixa em 29% o volume de perdas geradas por avarias, roubos ou desvios de água.

É um “resultado histórico” para o Marco de Canaveses e ainda pouco frequente no nosso país: 20% de perdas de água nas redes de abastecimento. O valor foi registado em agosto, trazendo uma melhoria significativa face ao final do ano passado (26%). A redução representa uma poupança anual de 98.000 metros cúbicos de água.

O atual volume de perdas coloca o Marco de Canaveses e a Águas do Marco no grupo restrito de 30 municípios portugueses que têm um desempenho considerado “bom” (abaixo dos 20%), pelo regulador do setor – a ERSAR.

Num momento em que todo o território continental português está em seca e cerca de 40% em seca severa ou extrema, a poupança de água tornou-se uma necessidade urgente. Contudo, de acordo com os dados do regulador relativos a 2021, as entidades que garantem o abastecimento em Portugal continuam a registar perdas médias de 28,8%.

Ver o concelho em contracorrente e com resultados cada vez mais positivos deve ser motivo de orgulho para todos”, afirmou Cristina Vieira, Presidente da Câmara Municipal do Marco de Canaveses. “Estes dados revelam também que todo o investimento que o Município tem feito na renovação e modernização das infraestruturas está a dar bons resultados, tanto para os marcuenses como para o meio ambiente”, conclui a edil marcoense.

Os desperdícios de água são medidos através do indicador “Água Não Faturada”, que permite calcular toda a água que entra na rede de abastecimento, mas que nunca chega aos consumidores. Os motivos para que as perdas aconteçam são vários e podem ser divididos em dois grandes grupos: por um lado, os problemas que podem acontecer ao longo da rede (fugas, roturas, derrames em reservatórios, entre outros); por outro lado, as perdas que acontecem junto do consumidor, como os consumos ilícitos ou deficiente contabilização devido a contadores obsoletos.

“A eficiência na gestão da água é, cada vez mais, uma ambição da Águas do Marco, pois, enquanto empresa na área do ambiente, temos especial responsabilidade perante este bem cada vez mais escasso. Temos, por isso, implementado várias melhorias na nossa operação, para que as equipas consigam responder prontamente a problemas na rede e evitar desperdícios de água que estes pudessem causar”, explicou Daniel Cardoso, Diretor Geral da Águas do Marco.

Na média de empresas operadas, em 2022, pelo Grupo INDAQUA (no qual a Águas do Marco se integra), foi registado um volume de perdas de 12,4%.